Follow by Email

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Projeto #AdoçãoSegundaChance

Como cães vão parar  em Abrigos Municipais e em casas  de protetores ou  acumuladores?
Esses cães são filhos, netos daquela cadela que você tinha e não castrou.
Esses cães são filhos, netos daquele cachorro que você tinha e não castrou.
Bom, mas  os  cães já estão ai e temos que fazer algo por eles.
Peço a todos que abram um espaço em suas  casas e em seus corações e adotem mais um.
No Canil de Santo Antonio da Patrulha, existem muitos cães  saudáveis à espera  de um lar.  São tristes, inocentes prisioneiros que nem entendem o porque  do seu confinamento.
Falem com o Nélson Gomes  da Vigilancia Sanitária  de SAP ( 3662 1639) e  agende  uma visita.
Cães de várias idades e tamanhos  esperam ainda  por um cantinho  onde possam chamar de lar!
Abra as portas do seu lar. Abra seu coração.
E entre  de  cabeça  neste projeto maravilhoso: Projeto Adoção Segunda Chance

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Cães Comunitários

A frase: "Não existem lares para todos", vem sendo escrita  em blogs, artigos,  já  há  alguns  anos.  A falta de consciencia quanto a  castração  de animais de  rua  pelos municípios leva a essa  constatação. Cadelas ganham filhotes  de seis em seis meses, gatas  de quatro em quatro. Como encontrar lares, tutores para todos? Temos que castrar  para evitar que procriem  mais, mas  esses  animais que já estão na rua, que ja nasceram,  fazer o que?
Em vários lugares  já existe  o chamado cão comunitário. O que é isso? São  animais, castrados, que um grupo de  vizinhos  cuida  em conjunto. Esse  animal não tem um dono só. Ele é  daquele  bairro, daquela  zona. Aquele  grupo de pessoas  é responsável por ele, pelas  suas vacinas, sua alimentação, pela  sua  castração, pelo  seu  bem estar e segurança.
Na  Guarda do Embaú  em Santa Catarina, por  exemplo,  muitas  pessoas  têm seus próprios animais, mas as  ruas  estão cheias  de animais  castrados, simpáticos, bem tratados por todos, inclusive os  visitantes da praia. É lindo de  se ver. Lá não tem animais  doentes,  magros, com fome. Todos  cuidam de todos. Muitos  deles são  enfeitados  com bandanas e  gravatas. Eles têm vários donos, todos  se sentem responsaveis por eles.
Recentemente, um  outro caso esteve na mídia gaúcha,  foi o das "Casinhas Amarelas  de Bagé". Nesta cidade, existem várias casinhas  dispostas pelas ruas que abrigam os  animais "sem dono" . O projeto é viável graças ao apoio de moradores, protetores locais, a ajuda de empresas , pessoas  físicas e jurídicas.
Acredito que  Santo Antonio da Patrulha esteje pronta para  adotar essa ideia. Visto que não existem lares para todos, vamos abrigar, cuidar dos que já estão ai!
É preciso para isso que haja uma conscientização, e  educação das pessoas. Elas têm que saber que não podem agredir  ou machucar o animal.Se não tem  caráter ou boa índole que as  faça  gostar, que pelo menos não maltrate.  Existem leis, que defendem os animais.
Alguns podem reclamar: "Cachorros  estragam os sacos de lixo." Pra começar, restos  de comida, lixo orgânico não se põe em lixeiras para os garis levarem.. Enterra-se  num cantinho da horta  ou jardim.  E outra:  Um animal  sem fome, não mexe no lixo. Que tal então, Alimenta-lo,  dar ração?
Acredito que nosso povo está se conscientizando mais. Agora é a  hora. Vamos fazer essa ideia pegar!! Cães comunitários  em Santo Antônio da Patrulha.





sexta-feira, 5 de junho de 2015

A Importancia de um Lar Temporario

Por que oferecer um lar temporário?

Animais que estão doentes, muito jovens, estressados, ou precisando de socialização, não são os melhores candidatos para a adoção. Esses bichinhos precisam de ajuda para se recuperarem, crescerem físicamente ou mentalmente, tornando-se assim, mais atraentes para as famílias que procuram adotar.

Ao oferecer um lar temporário, você estará promovendo um grande auxílio na reabilitação de um animal através da assistência domiciliar, proporcionando um lugar em sua casa e muito amor enquanto a adoção definitiva chega. Ajudar animais que antes eram indesejáveis a conseguirem lares permanentes, casas onde terão amor e vida digna, dá uma satisfação que não tem preço. Fazendo isso, você estará ajudando a reduzir custos dos protetores e ongs com internações e hospedagens em clínicas ou hotéis. ONGS, blogs e protetores estão sempre à procura de adoções definitivas, cada um ajuda no que pode.

Em um lar temporário, os animais serão menos susceptíveis as doenças contagiosas, receberão atenção e carinho, ao invés de estarem isolados, e consequentemente serão mais socializados.

Que tipo de animais de estimação necessitam de um lar temporário?

01. Gatinhos e cachorros, que são jovens demais para serem castrados e adotados. 

02. Gatos ou cães que ainda estão a amamentar suas ninhadas, que  precisam de um lugar tranquilo, onde possam se sentir seguros e receber a socialização adequada. 

03. Gatinhos ou cãezinhos que foram separados de suas mães ainda muito cedo: Cuidar de ninhadas, ou de um filhote que não têm uma mãe é algo que exige atenção e tempo, e como os animais são muito jovens, devem ser alimentados com regularidade, normalmente exigindo-lhe levantar-se várias vezes à noite para 
garantir que eles estarão bem alimentados.

04. Os gatos ou cães que estão sendo tratados por ferimentos ou doenças: Alguns animais que estão doentes, precisam de um lugar tranquilo para se recuperar, e alguns cuidados adicionais. Por exemplo, um cão com uma perna quebrada pode precisar de tempo para a sua perna voltar ao normal e recuperar forças antes de que ele esteja apto para ser colocado definitivamente para adoção. Cuidar dos animais doentes é mais adequado em casas sem crianças ou animais de estimação brincalhões. 

05. Animais que estão estressados, ou deprimidos por estarem numa clínica, confinados por um longo tempo.

06. Animais que sofreram maus tratos, e que necessitam de muito carinho e atenção para recuperarem a sociabilidade e auto estima.  Bichinhos que não tiveram muito contato com pessoas (ou apenas o contato com pessoas negativas) podem não confiar nas pessoas, e precisam aprender que estar com humanos pode ser uma coisa boa.